15 maio 2017

Perto da minha casa tem uma pracinha.

Pequenina, um charme só. Porém, esta pracinha sempre esteve descuidada e desamparada: grama alta, bancos demolidos, pouca iluminação, sujeira. Não demorou, virou ponto de bebedeira e uso de drogas. Ao entardecer, os moradores, vizinhos da praça, somente observavam a movimentação estranha através de suas cortinas e grades.
Até que, cansados da situação, os vizinhos decidiram se reunir, se mobilizar e tomar uma atitude. Então limparam a praça, trocaram a luz do poste, cortaram a grama, consertaram e pintaram os bancos, colocaram um balanço e um escorregador. Sem contar a geladeira cultural, que já está cheia de livros.
Resultado: revitalização. De ponto de drogas a ponto de encontro em poucas semanas. Estes dias passei por ali (algo que não costumava fazer antes, admito), e vi uma mãe sentada com seu filho pequeno, de uns quatro anos, lendo um livrinho. Quase chorei. Minto: eu chorei. Porque estava vendo, com estes olhos que a terra há de comer, como pequenas atitudes podem mudar o mundo inteiro.
O Brasil precisa se revitalizar como esta pracinha. E esta revitalização, tal e qual aconteceu com a pracinha, passa pela mudança e mobilização das pessoas que ali vivem. Os moradores poderiam continuar trancados em casa depois das 18h, reclamando dos viciados, da sujeira, do governo, da vida, de Deus. Mas decidiram levantar suas bundinhas do sofá e tomar uma atitude.
Esta pracinha não é a primeira a ser revitalizada por seus vizinhos em Carazinho, e tenho certeza que não será a última. Porque, vagarosamente, estamos compreendendo que a cidade onde moramos é nossa, minha e tua, e toda vez que a agredimos e a negligenciamos, estamos agredindo e negligenciando nosso próprio lar – como quem cospe no prato no qual come. Esta compreensão transforma o cenário de uma pracinha, mas transforma também o cenário de todo um país.
Mais do que criticar nossos governantes – e nós devemos criticá-los, claro! – devemos também assumir nossa responsabilidade por este Brasil judiado que habitamos. A pátria amada está ferida e a culpa também é minha. E tua.
É óbvio que o governo deveria cuidar do país, e é óbvio que a prefeitura deveria cuidar das nossas praças. Fazer pelo menos o mínimo, como manter a grama cortada e os postes de luz ligados. Isso muda tudo e custa quase nada. Mas não, eles não fazem. E se nossos governantes não fazem, precisamos cobrá-los, mas precisamos também fazer. Caso contrário, seremos exatamente como eles.
Porém, se você acha que revitalizar uma pracinha não ajuda a revitalizar um país, pense comigo: quão diferente seria nossa realidade se todas as pracinhas de todos os bairros de todas as cidades de todo o Brasil estivessem bonitas e atrativas?
A mudança sempre parte do indivíduo para o coletivo; vem de baixo para cima, de dentro para fora. Não se revitaliza uma pracinha sem o apoio de cada pessoa que vive ali. Imagina um país.

Foto: a pracinha perto da minha casa. Por Alessandro Finger.