04 maio 2017

Nascidos para criar

Eu acredito que o ser humano é uma criatura essencialmente criativa, de fato nascida para criar. Está em nossa natureza realizar atividades que gerem resultados palpáveis, seja lavar a louça ou salvar golfinhos da extinção. E quando não criamos, quando nossa mente e nosso corpo mantêm-se em inatividade, deprimimos nosso organismo de diferentes maneiras.
É lógico que o descanso e o lazer são importantíssimos para nossa saúde, seja física ou emocional. O problema é quando o tempo em repouso é igual ou maior que o tempo em movimento. Aí dá pane no sistema central.
Percebo que, enquanto sociedade, passamos muito tempo em estado passivo: assistindo TV, acessando as redes sociais, jogando joguinhos virtuais, navegando aleatoriamente pela internet. Situações letárgicas que exigem de nosso cérebro pouco ou nenhum esforço produtivo e criador. Neste processo, a preguiça mental gera a preguiça intelectual, que por sua vez gera a preguiça física – este mal que aflige e paralisa tantas pessoas, muitas vezes levando a quadros psíquicos realmente graves.
Não é apenas nosso corpo que precisa de atividade. Há também o sedentarismo mental, que é tão nocivo quanto o sedentarismo físico.
Realizar, produzir, inventar, fazer acontecer – seja lavar a louça ou salvar golfinhos da extinção – estimula positivamente nosso cérebro, tirando-o do entorpecimento.
Tudo o que nos coloca em situação de espectador, quando em excesso, termina por nos aniquilar.
Porque não nascemos para assistir. Nascemos para criar.