26 julho 2014

Uma arma para o escritor



Certa vez, Raul Seixas disse: “Minha espada é a guitarra na mão”.
Nunca esqueci essa frase.
Eu não toco guitarra, mas também tenho a minha espada: a literatura.
Com ela eu ataco, e com ela eu me defendo. E é justamente por que enxergo os livros como uma arma, que não acredito em literatura politicamente correta, ou ‘do bem’.
Se a literatura não te tirar do lugar onde você confortavelmente está; se ela não provocar, não instigar o raciocínio, não incomodar, ela perde sua força.
O maior trunfo de um povo é a sua capacidade de pensar.
E somente os livros nos dão essa capacidade. É por isso que poucos governos incentivam a educação.
De qualquer forma, seguimos!
Feliz dia do escritor, para todos que sabem a importância social e política da literatura no desenvolvimento de uma nação.
Por que os livros são a espada que temos para nos defender.
E para atacar.
Então, ataquemos.