29 novembro 2009

TODOS CONTRA O CRACK!

Estes dias, fui a uma palestra sensacional sobre CRACK ministrada por Mauro Souza, vice-presidente da Associação do Ministério Público de Porto Alegre.
Logo de cara, Mauro perguntou para uma platéia de cerca de 100 pessoas:
- Quem aqui tem alguma coisa a ver com o CRACK?
Eu levantei a mão.
E só eu levantei a mão.
Ninguém mais.
.
Antes ainda de moleques roubarem meu notebuque, dentro do meu quarto, em plena luz do dia e com gente em casa, trocando-o pela bagatela de 30 pilas de pedra no traficante da rua de baixo, já tinha me apercebido que eu, apesar de não fumar, tinha muito a ver com o CRACK.
Começou quando eu não podia mais voltar sozinha para casa quando saía de noite – coisa que sempre fiz desde que me conheço por gente.
Logo passei a reparar que ir na padaria, ao entardecer do dia, começava a ficar perigoso também.
De repente 80% das pessoas que eu conhecia já haviam sido assaltadas ou tinham sofrido alguma forma de violência na rua.
Em seguida as casas começaram a proteger-se com cercas elétricas e cachorros ferozes, e o número de moradores de rua de cor acinzentada quadruplicou-se.
Pessoas começaram a ser amarradas em camas e pés de mesas; os pais passaram a trancafiar seus filhos em jaulas.
- Peraê, tem alguma coisa muito errada acontecendo.
Foi o que pensei.
E era o danado do CRACK, minha gente.
Uma droga que apareceu como quem não queria nada, e parecia só mais uma droga, entre tantas, e de repente virou nossas vidas de cabeça pra baixo e levou nosso sossego pra muito longe daqui.
Nem vou ficar aqui falando sobre as mazelas do CRACK, porque é impossível que você ainda não tenha visto na tevê, nas ruas, quiçá dentro da sua própria casa.
E nós não podemos ficar de braços cruzados vendo a canoa - na qual estamos dentro - afundar.
Porém, o que eu e você podemos fazer?
- Ora, um grande problema merece uma grande solução, e nós somos apenas cidadãos impotentes refugiados dentro de nossas próprias vidas.
Correto?
Errado.
Sabemos que o crack requer soluções drásticas, que envolvem investimento pesado em educação - para prevenir - e em saúde - para remediar.
No entanto, não é por isso que não podemos fazer absolutamente nada.
Lembrem-se que, se as formigas soubessem o tamanho de sua força, já teriam dominado o mundo.
Sozinhos, polícia e governo nada podem fazer.
O CRACK subverteu tudo que, até então, todo mundo conhecia a respeito de drogas, drogados e tratamentos.
E é preciso que haja a aderência de TODOS os segmentos da comunidade, inclusive aquele onde eu e você estamos confortavelmente instalados.
Nós podemos e devemos e precisamos desesperadamente falar sobre o crack.
Conversar sobre o crack.
Escrever sobre o crack.
Promover, participar e divulgar campanhas contra o crack.
Incentivar ações em prol de movimentos contra o crack.
Podemos nos juntar a um coro de vozes cada vez maior de pessoas, que lutam para levar informação e conscientização, senão àqueles que já estão viciados, pelo menos aos que ainda não estão.
.
Se você pensa que coisas deste tipo não adiantam, saiba que se engana, meu amigo.
Participando, você simplesmente estará fazendo tudo o que está ao seu alcance.
Já parou para pensar nisso?
Se todos fizessem sua pequenina parte, mudaríamos o mundo, e isso não é conversa de sonhador.
É fato.
Só os acomodados que não vêem.
.
E por acreditar piamente no poder que cada um de nós possui enquanto indivíduo e enquanto grupo, comunidade e nação, lanço humildemente, aqui e agora, uma campanha virtual contra o CRACK, onde buscarei a adesão de 10 mil blogues e sites e afins - um número pequeno, quando comparado ao incalculável número de blogues, sites e afins que existem por aí.
Por isso criei está página: http://www.todoscontraocrack.blogspot.com/
e este selo:
E por isso também convido você a copiá-lo, colocá-lo em seu blogue, em seu site, em seu Orkut, Twitter, MSN e onde mais sua imaginação permitir.
E façam mais do que isso: escrevam sobre CRACK em seus blogues e sites, coloquem o assunto em pauta, em debate, na frente do holofote.
Tudo está ao nosso favor: o Brasil ocupa a terceira posição entre os países com o maior número de blogueiros, com mais de 5 milhões de usuários*.
O número de brasileiros que lêem blogs cresce a uma taxa superior a da expansão da internet, de acordo com dados de 2008 do Ibope/Netratings.
Ano passado, mais de 11 milhões de pessoas acessaram e leram blogs.
Se 1% aderisse à campanha, tem noção do tamanho da avalanche?
E nós podemos fazer isso.
Yes, we can!
Se tivermos um blogue, temos também voz e vez, e isso é lindo e merece ser usado com inteligência, ao nosso favor, a favor da sociedade onde vivemos.
Se uma única pessoa pensar, através do teu blogue, sobre o CRACK e sobre porque não deve usá-lo, então já valeu a pena.
.
Levante a mão quando perguntarem se você tem alguma coisa a ver com o CRACK.
Não exagero quando digo que podemos ajudar a salvar vidas – até mesmo as nossas.
Só precisamos aprender a lutar com as armas que temos em mãos.
.
Escolha seu selo no singular ou no plural, coloque-o em seu site ou blogue e envie para o e-mail todoscontraocrack@gmail.com seu link, pra ser divulgado na página da campanha.
Maiores informações?
Entre em contato.
.
* Fonte Agência McCann, divulgada pela Intel. Site http://www.sembrasil.com.br