25 junho 2009

Lá em Não-Me-Toque.

Sexta-feira , dia 26 de junho, entre 19hs e 21hs, estarei na Casa da Cultura Dr. Otto Stahl lançando meu livro, Uma Carta por Benjamin, em Não-Me-Toque.
E antes que me perguntem, sim!
Não-Me-Toque existe mesmo, e não só existe como é a cidade sede da segunda maior feira de agronegócios do Brasil, a Expodireto.
E é lá que estão boa parte dos meus bons e velhos amigos, pois foi justamente lá que eu morei, dos 3 aos 18 anos.
Lá também tem uma esquina onde não chove.
Uma mendiga chamada Cotê.
Uma baita biblioteca.
Uma freira que engravidou de um padre. De gêmeos.
E no passado ainda havia a área, lugar para onde a gente ia quando queria encher a cara e ser revistado por policiais.
Era divertido.
Enfim, lá estarei, sexta-feira.
Revendo os velhos, conhecendo os novos, tirando fotos e, claro, autografando Benjamin.
Então, se estiverem por perto, não deixem de aparecer.
E se quiserem saber por que Não-Me-Toque se chama Não-Me-Toque, cliquem aqui e saciem sua curiosidade.
Só para esclarecer: quem nasce em Não-Me-Toque é, sim, não-me-toquense.
Genial, hã?
Mas sem trocadilhos, por favor.

(clique em cima para ampliar)