15 abril 2009

Lançamento: Uma Carta por Benjamin

E não é que eu vou lançar um livro?
Rarara.
Pois é, eu vou.
E eu me sinto ótima, como uma mãe que leva seus bebês para casa.
Porém com a vantagem que o meus bebês não choram, não mamam e, principalmente, não fazem cocô.
Ou seja: perfeito.
E, evidentemente, estou aqui para babar o ovo de algumas pessoas, sem as quais tudo isso teria sido impossível.
- Sim, senhoras e senhores, isto é um discurso.
Um discurso onde pretendo jogar confetes, puxar o saco e fazer propaganda não-eleitoral gratuita.
Com muita sinceridade, obviamente.

Primeiro, o Frodo Oliveira.
Não por abrir a porta, mas por mostrar o atalho.
Um cara muito foda que, mesmo neste mundo cheio de ilhas, derruba muros e constrói pontes, e não passa por nenhum lugar sem contar para os outros como foi.
Um tipo raro, desses que, se houvessem mais, a história seria bem diferente.

Depois, a Editora Multifoco, por não me explorar nem sacanear, e por permitir que eu palpitasse em absolutamente tudo, e também por não ter cortado uma única vírgula sequer da minha historinha, e me enviar tudo no prazo, e trabalhar de maneira clara e limpa e decente.
Também por não economizar na produção do livro que, modésia à parte, é lindo de morrer.
E ainda vão me pagar por isso!
Belisca, porque não pode ser verdade.

Aos meus pais, cla-ro.
Por sempre terem dito: vá, e sempre terem deixado a luz do corredor acesa quando eu tinha medo do escuro.
E se você não sabe o que isto significa, nada do que eu disser poderá explicar.

E por último, mas de jeito nenhum menos importante, Afobório, o único cara que realmente sabe onde eu queria estar.

Óquei, agora chega de chororô e vamos ao que interessa: a venda.
Rarara.
Sim, a vida é tirana, e por aqui as pessoas fazem loucuras por esse pedacinho de papel sujo e danadinho, que sempre desaparece no dia 15 do mês.
Ah, mas deixemos a crise pra lá!
O que realmente importa é que Uma Carta por Benjamin já está na avenida, para ser mais precisa aqui do meu lado, dentro de uma caixa, lindos e sorridentes, meus bebês que não fazem cocô!
E logo logo um deles poderá estar aí na sua casa!
Sorria!

É muito simples: o livro custa R$28.00, incluindo o frete.
Se você mora em Não-Me-Toque, Carazinho, Passo Fundo ou por perto, pode adquirir um exemplar nos lançamentos que vou fazer por aí, e assim ele sai por R$25.00.
Então: você me escreve, passando o teu endereço e tudo e tals, e eu te passo o número da conta, para o depósito-incentivo-cultural-literário.
E vai autografado e tudo, em um envelope pardo com seu nome e endereço digitados na máquina Olivetti do meu vô, pelos meus próprios punhos!
Luxo.

Escreva pra 3am.jana@gmail.com ou mande seu pedido através do box aqui do lado.
Se quiser, pode ler aqui o primeiro capítulo, para ver se empolga.
E se estiver pelas bandas de Carazinho dia 16 de abril, quinta-feira, entre 19hs e 21hs, passa lá na Biblioteca Pública Municipal Dr. Guilherme Schultz Filho para tomar um chazinho comigo.

Até lá.