08 março 2009

Prezado e estimado Arcebispo Dom José Cardoso Sobrinho,

Escrevo porque lhe vi na tevê, e apesar de ser uma reles mortal e insignificante pecadora, tomei a liberdade de escrever, para saudar Vossa Altíssima Trindade.
Espero que não me excomungue por minhas palavras simples, porém honestas.
Prefiro assar eternamente no mármore do inferno antes de ser amaldiçoada por Sua Poderosíssima Alteza.
Tremo só de pensar.

Devo, antes de qualquer coisa, dizer que Vossa Digníssima Realeza tem muita desenvoltura e carisma, sem falar em seu olhar penetrante e dicção perfeita.
Deveria estar na novela das oito, no lugar do Lima Duarte.
Ou do Vitor Fasano.
Te liga Glória Perez!

Também gostei muito da sua falação que, alicerçada por argumentos lógicos e racionais, apenas fortalecem em mim a admiração que trago pela Cardosíssima Pessoa de Vossa Senhoria.
Minha parte favorita foi quando O Senhoríssimo excomungou os médicos e os pais da vítima.
Genial!
Melhor ainda quando não excomungou o estuprador.
Principalmente porque sabemos bem o quanto à Dadivosa Igreja é tolerante com estupradores.
Rarara, grande sacada!
Rio só de lembrar.
Nem Charles Chaplin foi tão refinado em sua comédia.
Aliás, quem é Charles Chaplin depois da sua tacada de mestre, heim Cardosinho?
Ops, perdão: Doutor Senhor Excelentíssimo Arcebispo Dom José.

Pensei até em lançar sua candidatura à Papa, assim que aquele outro com nome de espirro sair de cena.
Ora, você sim seria um papa pop!

O bom é que Seu Preciosíssimo Nome já está na mídia.
O lance passou na Globo, até no Jornal Nacional!
Viu só a Fátima Bernardes pronunciando:
- O Arcebispo Dom José Cardoso Sobrinho...
Sensacional!
E digo mais: certamente vai passar no Fantástico uma matéria demorada sobre sua capacidade encantadora de fazer as pessoas rirem.
Já imaginou, daqui a pouco, você nas páginas amarelas da Veja?
Uau! Demais!
Quero acompanhar tudo, porque não canso de admirar sua habilidade engenhosa em ser irônico.

Vossa Castidade foi irônico; não foi?

Enfim.
Mais uma vez Amabilíssimo e Caríssimo e Dom José, minhas referências à sua tão nobre e magnânima criatura, que para mim é e sempre será o retrato perfeito da Santíssima Madre Igreja – a mãezinha dos injustiçados.

Espero que tenha lhe tratado com a deferência apropriada.
Meus respeitos, condolências e referências.
Jana Lauxen