02 dezembro 2008

Olá meus queridotes.

Venho, por meio deste, dar algumas explicações.
Não que eu considere prudente dar explicações, mas como vocês ajudam a transformar meus leitores imaginários em leitores reais - e eu gosto muito - acho justo lhes dar uma satisfação.
Acabo de fechar os comentários do meu blogue.
Não porque recebi ofensas nem ameaças, muito menos porque não gosto de ler o que vocês deixam escritos para mim – pelo contrário, adoro.
Foi uma decisão bastante difícil, podem acreditar.
Fui obrigada a tomar tal atitude por causa de um problema muito simples, e que acomete 10 em cada 10 brasileiros nos dias atuais: falta de tempo.
Total, completa e absoluta falta de tempo.
Infelizmente, não estou conseguindo dar a atenção que eu gostaria para o pessoal que passa por aqui e deixa o seu palpite.
Assim, ou eu passo o dia inteiro respondendo os comentários, ou passo o dia inteiro me sentindo aflita porque não estou conseguindo responder os comentários.
Ou, pior: as duas coisas.
Isto estava me deixando realmente péssima.
Gosto de responder a todos, com a atenção e o carinho que cada um merece, e não apenas passar nos blogues e deixar um “oi-obrigada-pela-visita-também-gostei-daqui”, sem nem ler o que o sujeito escreveu.
A verdade é que sou uma baita cú-de-ferro em se tratando de blogues.
Logo, como não estava mais dando conta de visitar a todos e ler todos os textos e deixar comentários decentes, resolvi parar para respirar um pouco.
É uma merda, mas a vida é feita de prioridades, e pagar o aluguel está entre as minhas principais.
Vocês entendem.

Evidentemente, nada disso significa que não comentarei mais nos seus blogues.
Continuarei lá, metendo o bedelho e palpitando.
Dia sim, outro também.
Firme e forte.
Também não significa, de jeito nenhum, que me tornarei uma figura inacessível e blasé.
Isso, jamais!
Para tanto, deixarei disponível, abaixo de cada texto meu – incluindo esse – um e-mail para onde poderão enviar confetes, críticas, xingamentos e convites para festas.
Responderei a todos, sempre.

Espero, do fundo do meu coração, que compreendam meu dilema.
Sou, realmente, uma pessoa confusa e lesada e, ou eu faço uma coisa, ou faço outra.
Ao contrário do que dizem sobre as mulheres, não tenho a brilhante capacidade de fazer milhares de coisas ao mesmo tempo, dando a devida atenção a cada uma e obtendo, ao final do dia, um resultado satisfatório.
Ou eu caminho, ou eu nado, ou eu vôo.
As três coisas, nem eu nem os patos conseguimos fazer.

Beijo meu, bem grande
E olha o e-mail aqui: janalauxen@ymail.com