11 dezembro 2008

The books on the table.

Sempre fui péssima em inglês.
Juntamente com matemática e química, ele nunca me atraiu ou agradou.
Pelo contrário.
Muito pelo contrário.
Até na faculdade, quando cursava o último semestre e estava ocupada com teses e projetos experimentais, quase fiquei no meio do caminho por causa de uma matéria de nome Inglês 2.
O básico do básico.
Todo mundo preocupado com a apresentação da monografia e eu desesperada por causa de um inglês para crianças.
Só consegui o diploma porque me amiguei com a professora e lhe paguei propina através de serviços prestados.
Mas isso já é outra história.
O fato é que o mundo dá voltas e adivinhem o que me aconteceu?
Rárárá.
Exatamente.
Tive um de meus poemas traduzidos justamente para o inglês, e o que se chamava O Baile se transformou em The Ballroom.
The Ballroom.

Que lindo.
Tô pobre mas tô globalizada.
Ié, ié.
Cliquem aqui e leiam.
Ou tentem ler.
Ou apenas olhem o texto como um todo – como eu estou fazendo – e fiquem ali, só curtindo.
O original – em nossa adorável língua pátria – pode ser lido aqui.

Eu não disse, professora Rita?
O importante não é saber.
É ter o e-mail de quem sabe.
Valeu Zan!