09 outubro 2008

Soneto para Ressonar.

A última janela
com a última luz acesa
se apagou.
Fez silêncio sobre a cidade.
Só sobrei eu aqui.

Eu e estes malditos grilos,
eu e este cigarro que já apagou,
eu e este copo que já secou,
eu e este sono que já acordou.

O relógio na parede parou de girar.
Receio que não amanheça nunca mais.