26 junho 2008

Desacelera homem

E sente a vida acontecer nas tuas veias, nessas ruas.
Não pratique mais jogos neuróticos a dois,
não profane o amor.
Não trate mais sua fé como um tabuleiro de xadrez.

Desacelera homem
E veja estas estrelas na mão do teu filho.
A grande porta da igreja está entreaberta
e lá dentro o padre boceja, esperando a salvação.

Desacelera homem
E aprenda sobre ternura e sobre dor com todas estas mulheres nuas,
sujas, feias e malvadas,
perdidas na marquise da pequenina praça principal.
Quando você cair na sarjeta,
embriagado e rouco
Não deixe de ler as poesias que o seu Alfredo pintou em cada valeta.

Desacelera homem
E ouça um conto de fim de mundo.
Perceba como a humanidade tem medo do céu
e como vive feliz
presa em seus infernos cotidianos;
limpando óleo com água corrente;
carregando tijolos de areia para o alto do morro.

Desacelera homem
E beba logo a sua cerveja,
antes que ela esquente.
Grite ao mundo que você está certo.
Porque nossas vidas são como este copo de rum com gelo e com água:
ou bebemos de uma vez
ou não beberemos nunca mais.

Desacelera homem
E passe para o nosso lado;
o lado dos homens bons.
Pois com toda esta força que você vive escondendo
poderíamos,
nós dois,
transformar este mundo em uma terra de sol.
Você tosse porque não pode mais respirar este ar poluído,
que destrói a tua imaginação.

Desacelera
E a vida vai voltar a bater na janela da tua casa.
Não, nem tudo é dor.
E, sim: é domingo, é permitido ser feliz.

Desacelera homem bom
O dia amanhece.
O Deus que habita teu corpo cansado precisa tomar posse.